Por Cecília Lima

Como vimos na matéria da página 3, tomar as devidas precauções em relação à segurança do condomínio é um dever de toda a comunidade

 

Ao ser indagados sobre as motivações para se optar por um condomínio como forma de moradia, a maioria dos moradores certamente irá responder “segurança” como resposta imediata, em primeiro lugar. Características como localização, histórico do prédio (se já sofreu assalto ou outro tipo de violência), os equipamentos de proteção disponíveis, dentre outras, sempre são levadas em consideração como requisitos para a escolha do imóvel.

É verdade que a criminalidade cresce a cada dia, sobretudo nas grandes cidades e, infelizmente, os prédios residenciais passaram a ser também alvo de criminosos. Entretanto, é válido lembrar a responsabilidade que cada morador, além do próprio síndico tem no que diz respeito à preservação do condomínio. Não raramente, incidentes ocorrem por negligência dos próprios moradores e não apenas de funcionários. Confira a seguir cinco erros que põem em risco o seu condomínio.

1)      Equipe destreinada

Porteiros, zeladores e vigilantes são profissionais importantíssimos na manutenção da segurança predial. Porém, de pouco vai adiantar se ele não souber adotar as condutas corretas na rotina da sua atividade ou se não souber como proceder em emergências ou suspeita de ataque. A falta de treinamento dos funcionários deixa o condomínio vulnerável.

2)      Não fechar portão de veículos

O carro buzina, pede passagem, o porteiro abre para o carro entrar, mas esquece de fechar o portão. Ou, ainda, o próprio condômino possui o controle do portão, abre, entra, mas não o fecha, ou demora muito para fazer isso. Esse é um erro comum e grave. Os minutos em que o portão fica aberto é tempo suficiente para um estranho entrar no prédio e se esconder.

3)      Delivery na porta do apartamento

Essa é uma medida polêmica que poucos síndicos conseguem implementar, pois desagrada a maioria dos moradores: vetar a entrega de encomendas diretamente no apartamento. Entrega de refeições, remédios, pacotes ou qualquer outro produto de serviço delivery deve ser retirado pelo condômino junto à portaria. O entregador jamais deve subir aos andares.

4)       Não investir em equipamentos de segurança

A violência aumentou e a tecnologia evoluiu numa tentativa de acompanhar os novos truques dos criminosos e é importante estar atento aos equipamentos disponíveis no mercado, pois isso será de grande ajuda aos funcionários, a exemplo do porteiro. A função dele é facilitada quando tem à sua disposição câmeras de segurança e sistemas que controlem a entrada e saída de visitantes, por exemplo.

5)      Não conscientizar os condôminos

Reiterando o que já foi dito, os moradores são igualmente responsáveis pela segurança do coletivo. Uma negligência ou falha cometida pode colocar em risco a integridade de todos e, por isso, deve ser evitada. É preciso conscientizar e educar os condôminos para que contribuam, para isso, informativos podem ser distribuídos e afixados em murais.

*Jornalista