Manutenção Por Isabel Pearce

Com a chegada da primavera, as flores evidenciam-se nas ruas e nos jardins das casas e condomínios. As plantas harmonizam os ambientes e possibilitam uma sensação de maior integração com a natureza, podendo reduzir a ansiedade e o estresse – transtornos tão presentes na vida de quem mora nas grandes cidades

 

A arquiteta e paisagista, Regina Elisabete Barbosa F. Penido, nota que em Belo Horizonte há menos cultura da manutenção de jardins em relação a cidades como São Paulo, por exemplo, e chama atenção para a importância de se ter contato com o verde, principalmente para quem vive em ambientes urbanos. Um projeto paisagístico traz, além da beleza e sensação agradável, benefícios à saúde e ao ambiente, pois as plantas soltam gotículas de água no ar, umedecendo e proporcionando um conforto térmico. Nas grandes cidades, impermeabilizadas pelo asfalto e concreto, qualquer pedaço de solo permeável já é de grande importância para o meio ambiente e evita eventuais problemas como enchentes. Inclusive, existem requerimentos aos proprietários de imóveis na cidade, instituídos pela prefeitura, que podem exigir até cerca de 35 a 40 % de área permeável no terreno.

A primavera, segundo Regina Penido, é a época em que as plantas crescem com mais intensidade após o descanso do inverno e, portanto, é o momento ideal para aguá-las bem e apostar em seu crescimento. Ela ressalta o benefício da instalação de um sistema de irrigação que umedeça próximo à raiz das plantas, sem encharcar o solo e o seu entorno, evitando assim o desperdício de água. Estima-se que com esse sistema de irrigação, se gasta menos de 1/4 da água utilizada na irrigação convencional. “Quanto às podas, segue-se a orientação de fazê-las logo antes da chegada da primavera, pois esse é um período no qual nascem muitos brotos novos. Já a adubação é indicada para o início da época de chuva, por volta do mês de setembro, pois a infiltração do adubo pelo solo é facilitada pela água” ensina Regina.

Jardim vertical – Nos casos de ambientes onde não há solo exposto para o plantio, Regina Penido indica o jardim vertical, estilo que já vem chamando atenção nos condomínios e no interior dos apartamentos. Criam-se suportes fixados às paredes, nos quais vasos são posicionados, criando ambientes verdes bonitos e de simples manutenção. Já no nível do chão, ela indica vasos grandes, que podem ser usados para destacar uma entrada, por exemplo, ou conjuntos de três vasos menores.

Para quem não tem a opção ou assim prefere, um jardim não precisa necessariamente ser no ambiente externo, pois existem diversas plantas que se adaptam bem ao ambiente interno com menos claridade, como as zamioculcas, dracenas e espadas de são Jorge.

Com a realização de um projeto paisagístico, valoriza-se também o imóvel. Regina Penido brinca que nos stands de venda de prédios em construção, é possível observar a qualidade do edifício de acordo com o seu jardim, afinal é uma área na qual as empresas de construção investem para chamar atenção do cliente, tornando o ambiente mais bonito e agradável.

Regina Penido afirma que de fato um jardim exige manutenção constante, o que pode implicar, sim, em gastos com profissionais de jardinagem, mas que é interessante também o envolvimento do próprio dono com o seu jardim, cuidando dele diariamente, regando, podando e afofando a terra, por exemplo.

A saúde da mente, do corpo e o planeta agradecem!

*Estagiária de jornalismo

 

O que uma vegetação faz ao ambiente

1-      Diminui a poluição

2-      Aumenta a umidade do ar

3-      Ajuda a combater o efeito das Ilhas de Calor

4-      Melhora o isolamento térmico da edificação

5-      Melhora o isolamento acústico da edificação

6-      Maior retenção de água das chuvas

7-      Diminui a possibilidade de enchentes

8-      Reduz o consumo de energia

9-      Aumento da biodiversidade

10-  Reduz a ansiedade e o estresse

11-  Embeleza a edificação e a cidade

 

Serviços

Mais informações sobre paisagismo com Regina Penedo – 99666-3286